terça-feira, 4 de agosto de 2009

Atividades sobre a Gripe Suína











Atividades enviadas pela amiga Sonia Regina Ubeda ao Grupo:
"Sugestão de Atividade Escolar", do qual faço parte.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

sábado, 2 de maio de 2009

Molduras para fotos-cartão para a mamãe












Aproveitem!!!

Essa foi feita por mim!!!

terça-feira, 28 de abril de 2009

Texto dramatizado para Dia das Mães



Obrigado pela Mamãe
Autor desconhecido.
Tipo: leitura e mímica.
Personagens: Menino, Mãe, Narrador.

Cenário: 1 mesa com 2 cadeiras; bloco de papel e caneta.

O narrador lê pausadamente o texto enquanto os personagens fazem mímicas ou agem de acordo com o texto.

Narrador: Paulinho era uma criança muito obediente. Sempre ajudava a mamãe nas tarefas da casa.
Certo dia, Paulinho queria comprar uma bola. Escreveu um bilhete e colocou ao lado do prato da mãe à hora do almoço. Dizia assim:

Mamãe deve a Paulinho:
Por guardar a roupa ... R$ 4,00
Por arrumar a cama ... R$ 3,00
Por anotar recados ... R$ 4,00
Por lavar a louça … R$ 5,00
Por fazer as lições … R$ 4,00
Total: R$ 20,00

À mesa do jantar, Paulinho achou os vinte reais e também havia uma notinha que dizia:

Paulinho deve a Mamãe:
Por 3 boas refeições ao dia: NADA
Por lavar e passar sua roupa: NADA
Por cuidar quando está doente: NADA
Por um bom lar e muito amor: NADA
Por ensinar e educar: NADA
Total: NADA

O menino abraça a mãe e fala:
Querida Mamãe,
Obrigado por teu carinho, teus sacrifícios e teu amor sem fim. Te amo!

O Narrador convida todos para orar:
Querido Deus,
Obrigado pela mãe que Tu me destes. E que me ensinou o que é o amor. Amém.



Teatro Dia das Mães



Um lugar especial no coração da mamãe

Junior (Fica sentado no palco com uma almofada de coração e com roupa bem infantil...). E Sempre antes de entrar as crianças, repetirá a fala: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...
(Repetirá nove vezes, por isso é preciso dar uma expressão diferente: alívio, alegria, orgulho, consciência, meiguice...)

Crianças 1: (Entram com frutas, saquinhos de supermercado, avental, panela.. e todas falam juntas.) – ...porque ela se preocupa com a minha alimentação!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 2 (Entram com roupas de dormir, caixa de remédios e primeiros socorros, termômetro, colher, travesseiro, bolsa de água quente... e todas falam juntas.) – ... porque ela fica muito preocupada e acordada a noite toda quando eu fico doente!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 3 (Crianças entram com marcas de beijos no rosto, roupa amassada.. e todas falam juntas.) – ...porque muitas vezes ela mostra o seu carinho me abraçando e me beijando!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 4 (Entram vestidas de uniforme escolar e com cadernos, mochila, lancheira ... e todas falam juntas.) – ... porque ela está sempre acompanhando minhas atividades na escola!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 5 (Entram com a mão no bumbum, com cara de dor e sentam na cadeiras... e todas falam juntas.) – ... porque sempre que faço alguma coisa errada ela me corrige e, às vezes, fico até de castigo!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 6 (Entram com roupão, toalha, shampoo, sabonete, cotonete... e todas falam juntas.) – ... porque ela está sempre cuidando para que eu esteja sempre limpinho!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 7 (Entram com boneca, bola, outros brinquedos... e todas falam juntas.) – ...porque ela sempre separa um tempo para brincarmos juntos!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 8 (Entram com as mãos juntas, em sentido de oração... e todas falam juntas.) – ...porque ela nunca se esquece de mim em suas orações!

Junior: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe...

Crianças 9 (Entram com Bíblias abertas nas mãos... e todas falam juntas.) – ...porque ela se preocupa em dar o melhor para o meu crescimento: os ensinos da Palavra de Deus!

Todas as crianças repetem juntas e bem forte: – Eu sei que tenho um lugar especial no coração da minha mamãe...

sábado, 18 de abril de 2009

Meus calendários da Turma da Mônica 2009

Aproveitem!!

Agora está completo!!!














domingo, 5 de abril de 2009

Texto sobre a Páscoa






O SEGREDO DOS OVOS DE PÁSCOA

(Sonia Robatto)


Tem muita vida que nasce de um ovo, não tem? Tem ovo com vida de passarinho dentro, ovo com vida de pintinho, ovo com vida de lagartixa, ovo com vida de cobra... Tem ovo de todo tamanho e vida de todos os jeitos...
Mas o que será que nasce de um ovo de Páscoa? Isso eu não sabia e fui perguntar à Dona Galinha.
- Ó Dona Galinha, a senhora que é especialista em ovo, me diga uma coisa: o que nasce de um ovo de Páscoa?
Dona Galinha, muito despeitada com a concorrência das coelhinhas, cacarejou:
-Não nasce nada, minha filha! É ovo gorado, ovo falso, falsificado! Maluquices dessas coelhas de hoje em dia. Eu nunca ouvi dizer que uma coelha soubesse por ovos, chocar e tudo! Ovo que se preze tem pintinho dentro!
O galo apareceu e eu saí depressinha do terreiro. Fui andando por ali e por aqui, até que encontrei numa árvore a Dona Coruja. Repeti a minha pergunta:
-Ó Dona Coruja, a senhora me diga, por favor: o que é que nasce de um ovo de Páscoa?
Dona Coruja deu uma risadinha superior, esbugalhou bem os olhos e falou:
-É claro que nascem corujinhas. As corujinhas, como todo mundo sabe, são os animais mais bonitos do mundo! Os meus filhos são muito inteligentes, muito...
Deixei Dona Coruja se elogiando sozinha e fui em frente, no meu caminho. E no meu caminho tinha uma cobra. Eu fui logo perguntando:
-Ó Dona Cobra, me diga, se possível for: o que é que nasce de um ovo de Páscoa?
-Cobrinhas, ora...
E continuou serpenteando o seu caminho.
E eu fiquei ali, debaixo daquela outra árvore, chocando os meus pensamentos. Até que nasceu na minha cabeça a idéia de procurar Dona Coelha. Afinal, ela devia saber tudo sobre ovos de Páscoa.
Fui andando por aqui e por ali, até que encontrei a sua casinha.
A casa de Dona Coelha mais parecia um formigueiro! Tinha coelhinhos de todos os tamanhos, cores e idades. Todos fazendo ovos de Páscoa. Dona Coelha mexia um tacho num fogão de lenha, cantando uma musiquinha, e os coelhos repetiam o refrão:
Meu limão, meu limoeiro,/meu pé de jacarandá,/ uma vez tindo-lê-lê,/ outra vez tindo-lá-lá...
Pedindo licença, fui passando no meio dos coelhinhos até que cheguei perto de Dona Coelha e fui logo falando da minha dúvida.
-Desculpe Dona Coelha, eu andei por aí perguntando o que nasce de um ovo de Páscoa, e ninguém soube me responder direito até agora. Dona Galinha disse que não nascia nada. Dona Coruja disse que nasciam corujinhas. Dona Cobra, cobrinhas. Eu não estou entendendo mais nada. Nunca ouvi dizer que tivesse cobras dentro de um ovo de Páscoa! Elas estão brincando comigo, não estão?
Dona Coelha sorriu:
-Cada pessoa põe no seu ovo de Páscoa um pouquinho da sua vida. Ovo de coruja vira coruja. Ovo de cobra vira cobra, ovo de lagartixa vira lagartixa... É preciso tomar muito cuidado com o que se põe dentro dos ovos de Páscoa.
Eu continuava sem entender nada. Mas Dona Coelha continuou explicando:
-O que a pessoa colocar dentro do ovo de Páscoa nasce. Nasce a amizade, nasce carinho, nasce esperança, nasce felicidade...
Dona Coelha e sua imensa família continuaram cantando felizes quando eu saí de lá carregada de ovos de Páscoa.
E sabe o que aconteceu quando eu cheguei em casa? Não sabe?
Peguei os meus cartões de Páscoa para mandar junto com os ovos para os meus amigos. E fui escrevendo tudo o que eu sentia que estava nascendo no meu coração para cada um deles. Nasceu a esperança de um futuro lindo para Pedro, o desejo de uma vida cheia de paz para Madalena...
Pendurei os cartões nos ovos de Páscoa e me pareceu que cada ovo brilhava cheio de vida!

Teatro sobre o Ciclo da Água



DRAMATIZAÇÃO: O CICLO DA ÀGUA


PERSONAGENS:Vários alunos.


DESENVOLVIMENTO


1ª Personagem — Uma menina representando a Água


FALA:— Há, como é triste ser Água...!


— Fui feita para matar a sede, limpar, lavar, repor energia, dar vida!


— Vejam como estou agora: * Fraca, cada vez mais poluída, indefesa.


— Não sei o que fazer!


2 ª Personagem – Um menino, representando um Ecologista


FALA:— É amiga Água , tenho brigado muito para te defender, mas são poucos os que me escutam.


Alguns homens se reúnem, discutem, falam em te proteger, que estão preocupados em evitar que te maltratem tanto, que acabes sumindo da terra, mas são muitos, os que não estão, nem ai para você.


— Não fique triste minha amiga, eu vou continuar lutando para despertar nos homens, a consciência pela tua importância. Mostrar para eles que sem você é impossível a vida na terra, para qualquer ser vivo.


3ª Personagem – (Menino ou menina) O Sol


FALA:— É, eu estou decepcionado com a humanidade.


— Agora, com a escassez de água, tenho que aumentar o meu calor.


— Não consigo me controlar.


— Estou fazendo mal a terra, sem querer.


2ª FALA DA ÁGUA — Vejam meus amigos, já não consigo nem se quer seguir meu ciclo normalmente, pois falta EU, a água, muitas vezes...


— Eu tenho que estar nos corpos para sair no suor.


-- Eu tenho que esta nas plantas e nos animais, para sair em vapor


-- Tenho subir para a atmosfera, ser aquecida pelo meu amigo SOL, virar nuvens fofinhas.


--Tenho que ficar geladinha, pesada, tão pesada que desço de lá como chuva, há como é gostosa essa brincadeira, trás vida e felicidade aos seres vivos.


— Por favor!!! Cuidem de mim, eu não quero acabar, e chora.



RETORNAM AO PALCO: O SOL, ECOLOGISTAS E OUTROS PERSONAGENS.


Ao redor da água, começam a cantar:


A Água é minha amiga


Com ela posso contar


Pra lavar e tomar banho


E minha sede matar


Vamos todos protegê-la


E a natureza preservar


Resgatar suas a nascente


Para ela não faltar


Não fique triste amiga Água


De você vamos cuidar


Conscientizar a humanidade


Para a vida que nos dar.

terça-feira, 31 de março de 2009

Músicas de Páscoa



Coelhinhos pintadinhos

Coelhinhos pintadinhos,
Que vivem a pular.
Remexe, remexe,
Para lá e para cá.

Seu rabo curtinho,
Sempre a balançar.
Remexe, rabinho,
Para lá e para cá.

Seus olhos bem grandes
Sempre a brilhar.
Remexe os olhinhos,
Para lá e para cá.


Bem fofinho

Bem fofinho,
Bem gordinho,
É o Dum Dum,
O meu coelhinho.

De tão gordinho,
Já não pode mais pular.
Só remexe o rabinho,
Pra lá e pra cá.

domingo, 29 de março de 2009

Atividade de Páscoa



Trabalhando com receita


Ovinhos de chocolate

Ingredientes:
1 kg de açúcar
500 g de chocolate em pó
1 garrafa pequena de leite de coco
1 lata de leite em pó

Modo de fazer:
Misturar todos os ingredientes, amassando até obter o ponto de massinha de modelar,
desgrudando das mãos. Enrolar os ovinhos e embrulhar no papel alumínio.

Objetivos

Levar o aluno a conhecer e explorar os rótulos dos produtos utilizados na receita, observando a data de validade, a importância do código de barras, o nome do produto, a conservação, com a embalagem aberta e fechada, o peso, o símbolo de reciclagem.

Mostrar que a receita tem uma maneira de escrever que permite visualização, diferente de uma história, um texto poético, uma carta. Ela deve ter, geralmente, os ingredientes escritos na vertical ou em legendas, e o modo de preparo pode ser um texto narrativo.

Fazer com que o aluno perceba que o mais importante da Páscoa não é somente o chocolate mas sim o amor e o respeito ao próximo.

Material a ser utilizado

Encartes de supermercados, livros didáticos e folhas de papel.

Canetas hidrocor, lápis de cor, cola, giz de cera, tesoura, cartolina, fita adesiva, abridor de garrafas, pano de prato e guardanapos.

Vasilha plástica grande, papel alumínio, fitilho, papel celofane ou saquinhos pequenos.

Receita – Ingredientes: 1 kg de açúcar 500 g de chocolate em pó 1 garrafa pequena de leite de coco 1 lata de leite em pó

Procedimentos

Pedir aos alunos que tragam encartes para comparar os preços dos produtos e montar um mural com diversos nomes de supermercados.

Apresentar algumas músicas que estejam no contexto do planejamento ou da receita.

Explorar as letras das músicas oralmente, verificando o número de versos, estrofes, tema, vocabulário etc.

Separar, junto com eles, os produtos a serem utilizados na receita.

Apresentação da receita. Ler a receita, verificar os preços dos produtos, resolver problemas, comparar a estrutura do texto de uma receita com a de outros textos.

Manusear os rótulos a serem utilizados, observando a data de validade, o peso etc.

Desenhar os símbolos da Páscoa e enfeitar para serem colados nas embalagens dos ovinhos. Os alunos podem utilizar canetas hidrográficas, colagem de papéis coloridos... Deixar livre a escolha para a criação.

Preparação do Ovo de Páscoa

Pedir para que lavem bem as mãos e falar da importância da higiene na preparação de uma receita. Forrar a mesa com um papel limpo, pois servirá de apoio para enrolar. Cortar o papel alumínio e distribuir entre eles para, posteriormente, embrulhar os ovinhos. Separar uma vasilha plástica grande e todos os ingredientes para o preparo.

Modo de fazer: Misturar todos os ingredientes, amassando até obter o ponto de massinha de modelar, desgrudando das mãos. Enrolar os ovinhos e embrulhar no papel alumínio.

Colocar nos saquinhos ou no papel celofane e enfeitar com os símbolos desenhados anteriormente.

Integração:
História: Conhecer como se comemora a Páscoa em outros países, sua história, seus símbolos...
Matemática: Trabalhando com as medidas de capacidade, dezena, dúzia, preços etc.
Música: Pode-se associar uma determinada música à receita.
Ciências: Noções básicas de higiene, os riscos que corremos se não lavarmos as mãos para o preparo de uma receita.
O perigo de utilizarmos produtos fora da validade.
Orientações para o professor
É muito bom trabalhar com receitas em sala de aula, pois eles aprendem de um jeito lúdico, divertido e muito gostoso.
Duração da atividade: 60 minutos.

Dia da mentira



Dia da Mentira

Você já disse alguma mentirinha? Já surpreendeu alguém contando a maior lorota? Acha que mentir é a coisa mais horrível do mundo? Pois, no dia 1.º de abril, você vai poder soltar sua imaginação e rir com seus amigos contando mentiras grandes, pequenas, cabeludas ou maluquinhas. Mas lembre-se de gritar "1.º de abril!" antes que alguém leve a sério sua brincadeira!


História
Você sabia que o costume de contar mentiras no dia 1.º de abril teve sua origem na França?
Pois é, os franceses mentem há muito mais tempo que nós! Antigamente, na França, o início do ano era comemorado em 1.º de abril. Mas, em 1564, o rei francês Carlos IX adotou o calendário gregoriano, e o ano-novo passou a ser festejado em 1.º de janeiro. Imaginem só a confusão! Muitas pessoas não gostaram da mudança de data e continuaram a considerar o 1.º de abril como o primeiro dia do ano, mandando convites para festas, votos de felicidades...Nos anos seguintes, como forma de brincadeira, começaram a surgir nessa data convites para festas que não existiam e falsas mensagens de "feliz ano-novo". O costume se espalhou pelo mundo todo e, com o tempo, foram surgindo novas brincadeiras, até mesmo falsas manchetes de jornal e de televisão. Mas não se assuste, as mentiras são sempre leves, não prejudicam ninguém e deixam o Dia 1.º de Abril mais divertido.



Algumas verdades sobre as mentiras

* É possível enganar poucos por muito tempo e muitos por pouco tempo. Mas é impossível enganar todos o tempo todo.
- Essa verdade é muito usada pelo meu pai quando ele fala de política.
* Na boca de um mentiroso, até a mais pura verdade parece mentira.
- Essa frase foi tirada da fábula "O Menino e o Lobo", que minha avó sempre conta. Você conhece essa história? Ela fala de um garoto, pastor de ovelhas, que ganhou um apito para pedir ajuda se algum lobo atacasse seu rebanho. O menino começou a apitar todos os dias só para pregar peças e rir das pessoas, pois, cada vez que ele apitava, todos corriam desesperados para ajudá-lo. Mas um dia um lobo faminto atacou o rebanho e o menino apitou, apitou e ninguém apareceu para socorrê-lo. Todos achavam que era mais uma de suas brincadeiras. Depois disso, ele deve ter aprendido a lição!* Mentira tem perna curta. - Essa é a frase preferida da minha mãe. No Dia 1.º de Abril lembre-se disso, pois, para que esse dia seja legal e divertido, a mentira tem que ter a perna bem curtinha mesmo!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

CIRCO



PROJETO CIRCO


JUSTIFICATIVA
O circo é uma das mais antigas e completas manifestações populares e artísticas, pois durante o espetáculo, sob uma lona colorida, tem música, teatro, danças, cenografia e figurino apropriados que encantam a platéia; um espetáculo de magia que faz até hoje a alegria não só das crianças, como também de muitos adultos.

OBJETIVOS GERAIS
Este projeto tem por objetivo permitir as crianças vivenciar individualmente e em grupo a aquisição de habilidades e destrezas, sobretudo mediante exercícios, jogos e técnicas reunidos em proposições didáticas. Estas práticas possibilitam o desbloqueio de movimentos corporais adormecidos alargando – lhes as possibilidades de expressão, com a incorporação de novos gestos, estimulando – lhes desinibições no convívio social e, enfim, facilitando – lhes a harmonização entre desenvolvimento físico, psicológico e social.
O projeto Circo tem como objetivo desenvolver uma instrumentalização artística visando o desenvolvimento da criatividade a partir do universo do palhaço, como forma de sensibilização do corpo, buscando a conscientização e o resgate de valores humanos, tais como: alegria, cooperação, amizade e a criatividade presente na cena cômica do palhaço. Aplicar uma pesquisa de linguagem corporal a partir da pedagogia do palhaço circense, como também, criar uma relação com figuras do universo cômico popular brasileiro, presente na infância.


PERÍODO E DURAÇÃO DO PROJETO
O Projeto será desenvolvido no decorrer do 1º semestre

PÚBLICO ALVO
Alunos do Pré e equipe escolar.

DISCIPLINAS ENVOLVIDAS
Linguagem Oral e Escrita, Matemática, Natureza e Sociedade, Artes.

METODOLOGIA / ATIVIDADES
· Roda de conversa
· Desenho
· Pintura
· Gráficos
· Listas
· Experiências
· Leituras
· Dramatizações
· Murais

RECURSOS NECESSÁRIOS
· Cds
· Jogos e brincadeiras dirigidas.
· Tv, rádio
· Vídeo
· Jornais
· Papéis diversos
· Revistas
· Tesoura, cola, guache
· Músicas
· Sucatas
· Poesias


DESENVOLVIMENTO ( SUGESTÕES )
· A história do circo;
· Os personagens do circo;
· Assistir o DVD da Xuxa circo;
· Assistir ao filme “ Dumbo “,
· Descrever o cartaz “ O circo ” da coleção de Leandras – edt. FTD;
· Alfabeto ilustrado letra C;
· Músicas dramatizadas;
· Exercícios rítmicos e de equilíbrio,
· Jogo da memória - figuras circenses;
· Coordenação motora fina: levar o palhaço até o circo.


AVALIAÇÃO
O Projeto será avaliado sempre que for necessário, de forma contínua a partir da participação, desempenho, cooperativismo, integração do grupo, disponibilidade e, principalmente, o engajamento efetivo durante o desenvolvimento do mesmo, podendo ser alterado a qualquer momento, conforme as circunstâncias e necessidades apresentadas.

CULMINÂNCIA
· Apresentação de números circenses;
· Exposições dos trabalhos realizados pelos alunos.






sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Aula: “Meu nome, Meu mundo”






O que o aluno poderá aprender com esta aula:




A construção da escrita do nome constitui-se para o ser humano uma necessidade básica. O nome da pessoa está sempre nas suas primeiras manifestações da escrita. As crianças que estão se alfabetizando podem e devem aprender muitas coisas a partir do trabalho com os nomes próprios da classe.


Os três pilares básicos da alfabetização são: oralidade, leitura e escrita e por isso, devem estar interligados desde o primeiro dia de aula. Diante disto, torna-se necessário que se desenvolva em sala de aula atividades que promovam a socialização da turma através do trabalho com os nomes, proporcionando ao educador o acesso a um instrumento de avaliação que irá detectar o conhecimento prévio que o aluno possui, quando este demonstra suas hipóteses de escrita do nome. Então, é primordial que o trabalho com o nome se inicie num primeiro momento do processo de alfabetização da criança e se estenda por um período de dois meses, podendo ser prolongado conforme a necessidade da turma.




Neste sentido, objetiva-se:


- Possibilitar o acesso ao conhecimento da leitura e da escrita através de atividades com o nome, estimulando a oralidade dos educandos.


- Criar condições para que os educandos compreendam a leitura e seus significados, através das atividades com o nome.


- Possibilitar a integração da turma, através de atividades coletivas, relacionadas aos nomes dos educandos, promovendo a socialização entre os mesmos.




Duração das atividades


1 Bimestre ou 1 semestre.




Estratégias e recursos da aula


• Autorretrato e escrita do nome:


- Distribuir para a turma papel, lápis de cor, de cera ou canetinha. Cada aluno desenha seu retrato (se possível com a ajuda de um espelho exposto na sala). Escreve seu nome junto ao desenho. Recolhe-se as “fotos” e redistribui-se entre a turma. Cada um tentará adivinhar quem é o dono da foto (pode ser ajudado pelos colegas). O dono da foto se apresenta, diz se gosta ou não do nome, diz onde mora e o que gosta de fazer.


• História do nome:


- Cada aluno pesquisa em casa com os familiares, a história de seu nome. Em sala, relata o porquê tem este nome. O educador apresenta tiras com o nome completo de cada educando (em letras maiúsculas, bem visíveis). Na medida que o educando for falando a história de seu nome, acompanha-se com a turma a leitura do nome completo, identifica-se o sobrenome do pai e da mãe (cada aluno pode levar sua certidão de nascimento) e compara-se nomes e sobrenomes semelhantes dos alunos da sala. Depois cada um registra o seu nome completo.


• Construção de crachá:


- Os alunos irão construir um crachá para uso diário. Cada um recebe um cartão com o seu nome (em letras maiúsculas) e o professor acompanha a leitura das letras presentes no nome, mostrando para turma, identificando principalmente as letras iniciais e finais. O aluno então registra num outro cartão o seu nome e faz um pequeno desenho ao lado. Distribui-se os cartões no chão. Cada um pega qualquer cartão e tenta adivinhar de quem é. Logo em seguida, escreve numa folha de papel cartolina o nome do colega, formando uma lista de nomes, que será lida pelos alunos, posteriormente, com o auxílio do professor.


• Meu nome é uma arte:


- Cada aluno, usando a sua imaginação e criatividade, escreve seu nome de uma forma diferente. O aluno pode formar um desenho, como um sol, uma casa, um coração, através de seu nome completo. Desta forma, não se tornará mecânico o ato de repetir várias vezes a escrita do nome, pois o aluno vai estar criando desenhos e o mesmo tempo, escrevendo várias vezes seu nome, dando um sentido para esta repetição. O educador pode sugerir alguns desenhos para os alunos desenvolverem sua criatividade. Os alunos podem também fazer um desenho comum primeiro, e depois escrever em volta do desenho o seu nome completo. Tudo vai depender da forma como se apresenta a turma.


• Construção de alfabeto móvel:


- Com os crachás em mãos, cada educando recebe várias tiras de papel cartão ou papelão. Preenche cada tira com cada letra presente no seu nome. Desta forma, poderá manusear as tiras para formar seu nome, reconhecendo melhor as letras presentes no mesmo. Inicialmente, trabalha-se com letras maiúsculas. No decorrer das aulas, os alunos irão preencher mais tiras, agora com as letras presentes no nome dos colegas, não importando se haver repetição. Desta forma, os alunos irão comparar as letras presentes no seu nome com as letras presentes no nome do colega, além de terem a possibilidade de formar mais nomes ou até mesmos palavras, a partir dos sons percebidos em cada nome. É muito importante que cada um esteja sempre com seu crachá e que este possa ser disposto de várias formas, seja construído pelo aluno, seja pelo educador.


• Alfabeto dos nomes:


- Montar um mural com o nome dos educandos, separados pelas letras do alfabeto presentes no início de cada nome. Cada nome virá acompanhado de uma foto do aluno, para associar o desenho à escrita.


• Comparação de tamanho de nomes:


- Cada aluno constrói com o alfabeto móvel o seu nome e deixa exposto no quadro de pregas para todos visualizarem. O aluno pode construir com o auxílio do educador ou do crachá com o seu nome. Então, verifica-se qual o nome maior, pelo número de letras. Verifica-se também o nome menor e estabelece-se comparações entre a quantidade de letras presentes em cada nome. Mostrar para os alunos que nem sempre o tamanho da pessoa corresponde ao tamanho de seu nome, bem como nem sempre o tamanho de animais, objetos e coisas, corresponde ao tamanho da escrita de tais. Apresentar, então, cartões com desenhos e fotos dos alunos e suas representações escritas, fazendo a pergunta “Qual o nome maior? E o menor?”. Contar o número de letras em cada nome para auxiliar.


• Que letra falta?


- Expor no quadro alguns nomes sem as letras iniciais e finais. Posteriormente, pode ser sem outras letras presentes no meio do nome. Os educandos registram e depois, completam com as letras que faltam. Esta atividade pode ser feita em conjunto.


• Roda dos nomes:


- Divide-se a sala em vários grupos, organizados em círculos. Cada educando tentará escrever o nome de cada colega do grupo. Pode-se utilizar o crachá como auxílio.


• Quebra-cabeça dos nomes:


- Cada educando recebe dois tipos de quebra-cabeças, ambos contendo seu nome escrito, um por letras e outro por sons (sílabas). As partes são misturadas e os educando tentam encaixar na seqüência dos nomes. Dependendo do ritmo da turma, pode-se trabalhar inicialmente apenas com peças que contem letras e posteriormente trabalha-se com sons. Alguns alunos podem necessitar de auxílio.


• Trabalhando as silabas a partir dos nomes:


- Montar um quadro com sílabas presentes nos nomes dos educandos. Fazer a leitura dessas sílabas e observar as sílabas correspondentes aos números. Seguindo a seqüência dos números, escreve-se os nomes a partir de suas sílabas e a relação numérica. Verifica-se outras possibilidades de construir outros nomes, usando as sílabas presentes no quadro (ou outras palavras).


• Bingo dos nomes:


- Fornecer uma folha de papel com espaços em branco (seis espaços). O aluno escreve o próprio nome em um dos espaços e os nomes de cinco colegas. Sorteia-se os nomes e os alunos que os estiverem vão marcando ponto. Aquele que completar sua cartela vencerá o jogo.


• Palavras cruzadas:


- O professor dá dicas de uma pessoa e os alunos tentam descobrir de quem ele está falando. Quando descobrirem, constroem o nome do colega, utilizando as letras do alfabeto móvel. No centro vai estar escrito uma palavra, que pode ser “Criança, amor, brincar”. Cada letra desta palavra vai formar os nomes dos colegas. Portanto, é importante que se escolha uma palavra que tenha letras condizentes com o nome dos alunos da turma.


• Conjunto de nomes:


- Introduzir à noção de conjuntos, a partir dos nomes. Com os nomes dos educandos em cartões fixados no quadro, levar os mesmos a perceberem quantas letras há em cada nome. Há nomes pequenos e nomes grandes. Nem sempre a quantidade de letras corresponde ao tamanho da pessoa. Então, dividir em conjuntos (representados por figuras geométricas), que representam a união desses elementos semelhantes. Trabalha-se, inicialmente, com os seguintes elementos:


1. Nomes que começam pela mesma letra (Os alunos registram o conjunto que inicia com a letra de seus nomes).


2. Nomes que terminam pela mesma letra. (Analisar oralmente com eles).


3. Nomes iguais. (Analisar oralmente com eles).


4. Nomes que contêm o mesmo número de letras. (Analisar oralmente com eles).


5. Nomes de homens e mulheres. (os próprios alunos dividem os conjuntos e selecionam os elementos).


• Acróstico:


- Formar um acróstico com o nome de cada aluno da turma. Cada um vai dizer as qualidades do colega, que serão escritas conforme a letra presente no nome.


• Trabalho com o texto: “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade.


- Trabalhar com o título do texto. Verificar, com os alunos o sentido da palavra Quadrilha. Ler o texto com os alunos. Oralizar os nomes dos personagens do texto com o nome dos educandos (trocar de nomes). Para esta atividade usar cartões com os nomes dos educandos. Reescrever o texto utilizando o nome dos alunos. Cada educando escreve nomes que iniciam com a mesma letra do seu e substitui (oralmente) no texto.




Recursos complementares


Avaliação


Observar e registrar, diariamente, os avanços dos alunos na construção da escrita do próprio nome, bem como no reconhecimento de outros nomes. Observar o uso que os alunos fazem da escrita dos nomes para escrever outras palavras. Analisar as produções de escrita, individuais e coletivas, que abordam o tema trabalhado e assim, replanejar aulas que possam, desta forma, suprir dificuldades. Observar a participação nas atividades em sala, o relacionamento com o colega, bem como verificar o avanço, que cada aluno possui, na leitura de materiais relativos ao tema trabalhado.


*sugestões de: MARCOS HENRIQUE ALMEIDA DOS SANTOS


Maneiras divertidas de treinar ditados:


O objetivo do ditado é fixar conhecimentos, descobrir dificuldades não dominadas pelos alunos.
O professor deverá utilizar-se de meios mais atrativos, em vez de cópias monótonas das palavras que as crianças têm mais dificuldades em escrever.
Para isso, poderá utilizar-se dos seguintes meios:

Jogo:
Colocar as palavras que precisam ser treinadas em Caça-Palavras, Palavras Cruzadas, Bingos e Jogos da memória.

Dicionário:
Pedir que procurem no dicionário as palavras a serem treinadas.
Ditado escreve e apague:
O professor escreve a palavra na lousa , as crianças observam e leêm, em seguida o professor apaga e os alunos escrevem.
Listagem:
Pedir que os alunos façam listas de frutas, animais, alimentos, nomes etc.

Ditado em Colunas:
O professor entrega aos alunos uma folha com várias palavras escritas em colunas.
O professor dita a palavra e os alunos riscam na lista a palavra ditada.

Ditado com gravuras:
Apresentar aos alunos uma série de gravuras com a mesma dificuldade. Exemplos: Coelho; Palhaço; Abelha e Folha.
Auto-ditado:
A criança mesma escreve palavras e depois corrige em dupla com o colega.
Jogo Ortográfico:
Entregar a cada grupo de crianças uma sílaba para que escrevam o maior número possível de palavras com aquela sílaba.
Conceito:
O professor dá dicas e os alunos escrevem as palavras
Exemplo:
Escreva o nome de um animal mamífero que voa.
Escreva o nome de um animal que tem penas e bota ovo.
Escreva o nome do objeto onde sentamos.
Objeto:
O professor mostra objetos ao vivo ou em gravuras sem falar os nomes . As crianças escrevem os nomes.